quarta-feira, 9 de março de 2011

Breve reflexão sobre o judaísmo

"Ab reshit bara Elohim et hashamayim ve'et ha'arets." ("O pai do princípio criou Elohim os céus e a terra") - Bereshit/Genesis

No trecho acima vemos "Deus" sendo chamado de "Elohim", que é uma forma plural de "EL"("Deus") mas é aplicada num contexto singular, a um ser especifico. Isso de certa forma anula a idéia de um ser antropomórfico e pessoal, ao mesmo tempo que afirma a posição de que a Torah descreve a expressão de forças naturais que se manifestam segundo uma lógica pré-estabelecida. Não estavam, afinal, os teólogos do passado especulando ao acaso e sim fazendo filosofia(e muitas vezes são tratados pejoratvamente como "pré-filosóficos").

Comentários:

Superação do Ateísmo

De certa forma isso ajuda a compreender o que Karl Marx quis dizer com "superação do ateísmo" e de seu caráter de negação - eis a síntese. Esse tipo de concepção supera o ateísmo sem negar a racionalidade ou materialismo filosófico.

Religião e comunidade

O texto me remete ao fato que a religião judaica, com seus ritos e tradições, serve especialmente como elemento de coesão da comunidade judaica, cria uma psiquê coletiva(o próprio "ELOHIM" como egrégora do povo judeu?), um ethos predominante - "o povo escolhido".

Somos todos "ateus" afinal?

O escrito também demonstra que a religião(pelo menos no caso) não se trata de um conjunto incoerente de invenções feitas ao acaso ou simplesmente como mera expressão de costumes tribais - é também uma forma distinta de lidar com o conhecimento. Lembro-me inclusive da "religião de Einstein", uma forma de panteísmo onde o caráter religioso não estava em "criar um ser superior" e sim encarar a natureza como tal e manter uma relação, diremos, distinta com a mesma. Ao mesmo tempo que define-se a incognoscível e onipotente(porque tudo o que é possível está dentro do "natural) lógica da natureza(que apesar de podemos conhcer seus mecanismos dificilmente responderemos "porque tudo é assim?"), cria-se um arquétipo, o perfil da "força suprema" que serviria de exemplo para os homens. O "Big Bang" e a evolução não são mais que forças da natureza "criando" o universo(e não um "design inteligente").

4 comentários:

  1. Elohim, deveria ser um deus dos caldeos, pois Abraão vivia na cidade de Ur dos caldeos.
    Quando Jacó entrou para o Egito com sua família que eram 70 pessoas, os Judeus permaneceram alí por 400 anos, quando saíram, diz a bíblia que eram 600 mil.
    Os Judeus já tinham esquecido o deus Elohim e estavam adorando os deuses locais do Egito, como o deus Apis que era um touro.
    Por isso que quando Moizes demorou para trazer as pedras da lei, porque as talhadeiras tavam ruim de fíu, eles pediram para Josoé fundir um touro Apis para eles adorarem. Então Josoé pediu para eles entregarem o ouro que o Moizes tinha dito para eles não saírem de mãos vazias.
    Como eles entregaram pouco ouro deu para fazer só um bezerro.
    Moizes conheceu Javé no monte Sinai, que era um deus dos pastores, cujo chefe e sacerdote era Jétro que se tornou seu sogro.
    Moizes proibiu o povo de subir no monte para não verem que era ele que estava gravando nas pedras as leis semelhantes ao código de Hamurabe.

    ResponderExcluir
  2. Qualquer divindade criada pelo homem é baseada em alguma filosofia antiga e é criada com a finalidade de controlar uma sociedade que está indo rumo ao caos e a desordem.Como as massas são geralmente fáceis de serem alienadas por uma ideia que imponha a responsabilidade por todas as coisas (boas ou más) que acontecem .
    Um ser supremo que imponha regras de sobrevivência vem bem a calhar em uma sociadade que está se desintegrango por diversas maneiras.

    ResponderExcluir
  3. O Judaísmo teve muitas influências dos povos vizinhos. Praticamente não teve nada de original: os dez mandamentos; o dízimo (já existia na época de Mequisedec); os egípcios -muitos séculos antes tinham uma vaga ideia de um deus único - exigência de Deus por derramamento de sangue, para perdão dos pecados. Há similaridades do Torah com o Código de Hamurabi.
    O judaísmo as assimilou com características próprias.
    Como na própria evolução da origem do homem, a assimilação dessas crenças judaicas foram sedimentando a religião do seu povo, e os cristãos e islâmicos de formas singulares, absorveram algumas partes de seus credos.

    ResponderExcluir
  4. Antes de tudo quero parabenizar pelo espaço, muito interessante.
    Bom, só uma observação, em Genesis 1:1 "No princípio criou Deus os céus e a terra" do hebráico בְּרֵאשִׁית בָּרָא אֱלֹהִים אֵת הַשָּׁמַיִם וְאֵת הָאָרֶץ (Leitura da direita para esquerda)ou em sua forma transliterada "berê'shiyth bârâ' 'elohiym 'êth hashâmayim ve'êth hâ'ârets", não contém o Alef no original e mesmo assim, o alef no hebraico arcaico, o qual foi usado por Moisés, não tem som de "A", mas som mudo. Mesmo no hebraico massorético (O que foi usado acima) os pontinhos embaixo da primeira letra dão um som de "e", que juntando com a primeira consoante formam um "be", logo, temos então a primeira palavra "berê" (Significa No, em, em o, etc) e não "Ab" como proposto no post. Sendo assim, a tradução mais correta do texto é "No princípio criou Deus os céus e a terra". Com relação ao Elohim, o texto não sugere pluralidade como de "muitos", mas a Majestade do Deus de Israel. Ne verdade, Elohin é uma forma genérica que é usada até mesmo fora da cultura judaica, no entanto, para o Judeu, este nome revela a magnitude do Deus de Israel, basta analisarmos a "Guemarah" e a "Mishnah" nos talmudes judaicos e perceberemos com clareza o sentido exato da palavra. Quanto ao comentário de ser um deus impessoal, também não está em conformidade com o contexto, pois no verso três, Elohim diz: "E haja luz", ora, um ser impessoal que fala? Outro sim, em Êxodo 3:14 Moisés descreve YHWH com o nome de "Eu Sou", eliminando qualquer exegese, a não ser aquela que descreva o Deus de Israel como um Deus Pessoal. Vale salientar, também, que os judeus jamais atribuiram um idéia antropomórfica de Deus, mas esta concepção está relacionada apenas a forma com a qual YHWH (Javé não existe no original) se comunica com seu povo, ou seja, usa uma linguagem compreensível.
    Forte abraço.

    ResponderExcluir