segunda-feira, 28 de março de 2011

Apoio massivo à Kadafi na Líbia























Foto da chamada "Marcha Verde", na Líbia, manifestação convocada por Kadafi para se opor aos rebeldes e os interesses estrangeiros a eles relacionados.

“Não vamos deixar Misrata [cidade parcialmente nas mãos dos mercenários] refém dos tiranos e criminosos”, afirmou o presidente líbio em seu pronunciamento a dezenas de milhares de pessoas na cidade de Al Khoms, no dia 26.
Dirigindo-se aos agressores, Kadafi destacou, “a Otan precisa ouvir estas vozes” e acrescentou: o que resta dos argumentos dos colonialistas depois dessas marchas de milhões?”
O líder líbio informou à multidão que foram desmontados as organizações populares, incluindo as que estimulavam a participação das mulheres, mas, ressaltou: “Ninguém vai travar a vontade popular, ninguém vai quebrar a vontade da Pátria!”

Depois de Al Khoms, Kadafi voltou a Zliteen e foi novamente recebido por um ato gigantesco. A cidade teve uma escola, um hospital, uma mesquita e dois depósitos de alimentos bombardeados logo após um encontro de Kadafi com milhões nas ruas da cidade.
Aliás a resposta às massivas manifestações de apoio ao líder e seu governo tem sido a tentativa de aterrorizar a população do país. O jornalista da rede TeleSul denunciou que o portavoz da Otan, Roland Lavoie, ameaça atacar “estábulos, dependências de uso agrícola, depósitos, fábricas e armazéns de mantimentos”, alegando que são fachadas para instalações militares.
Mas o funcionário do hospital bombardeado em Zliteen, Ali Buhamida, declarou à TeleSul que “aqui no hospital havia também um laboratório. Conseguimos resgatar um microscópio. Estão atacando objetivos estritamente civis”.


Nenhum comentário:

Postar um comentário