domingo, 5 de junho de 2011

Fidel Castro - personalidade política


Fidel Castro é sem dúvida uma das personalidades políticas mais importantes de nosso tempo. Derrotou a ditadura que se instalava em seu país, colidiu contra o imperialismo, participou diretamente dos eventos da Guerra Fria e sobreviveu 10 presidentes norte-americanos e mais de 600 atentados¹, permanecendo 50 anos no poder.

Fidel Castro é "O Principe" dos sonhos de Maquiavel. Falamos de um fundador de Estados, rico em astúcia política que deu fim numa situação caótica e criou um sistema estável. Da fase heróica, regeneradora, constitutiva, passa para a normalidade. O vigor de Fidel Castro é substituido pelas virtudes, organizações populares e instituições por ele estabelecidas.

Sua figura sustenta a adoração das massas e engendrou uma nova era. Sua dominação é carismática, não se trata de um déspota que governa aparte do povo tão pouco de um tirano que governa contra o mesmo. O processo histórico concentrou nele uma inigualável autoridade pessoal. Fidel Castro se identifica com os guajiros, apadrinha os operários, comanda o exército e representa a nação.

A astúcia política ficou clara na forma como conciliou forças opostas, como intimidou e derrotou seus inimigos, como ludibriu muitos deles e como cooptou, sob sua aura caudilhesca, guajiros, operários, estudantes, sindicalistas, democratas e comunistas. Não houve organização política ou setor social que tenha resistido ao seu poder de atração, entrando em sua órbita ou colidindo contra o mesmo. Soube interpretar não só os corações dos homens como também as necessidades históricas de sua pátria.

Fidel Castro certamente foi um homem abençoado pela fortuna*. Teve o regime de Batista para usar seu máximo potencial e alcançar sua desejada glória, assim como teve a União Soviética como porto-seguro em relação aos Estados Unidos. Também teve a benção de não estar rodeado por mediocres e sim por homens tão fortes, determinados e astutos quanto ele mesmo.

Em sua essência, a Revolução Cubana não é divida em diversas fases, "não-socialista, socialista; moderada, radical" - ela sempre foi fidelista. Fidel Castro é a própria encarnação da mesma revolução que deu origem a sua figura. Como relata Claudia Furiati, "em certa oportunidade, o Conselho de Estado pensou em condecorá-lo 'herói de Cuba', ao que resistiu obstinado, posto que se assemelharia a 'uma autocondecoração'"².

* Sorte, destino, condições objetivas.
¹ Ignacio Ramonet, "Fidel Castro - BIOGRAFIA A DUAS VOZES". Boitempo Editorial, 2006, pgs.12-13. A informação pode ser verificada em outras fontes, como por exemplo um livro(cujo o título não me recordo) que compila uma série de personalidades históricas que foram vitimas de atentados terroristas.
² Claudia Furiati, "Fidel Castro - UMA BIOGRAFIA CONSENTIDA", Tomo II. Editora Revan, Rio de Janeiro, 2001, pg. 428.

Nenhum comentário:

Postar um comentário