quinta-feira, 1 de setembro de 2011

Problemas da Democracia: Os senhores do Sufrágio, Konstantin P. Pobedonostsev


[RP: O texto é uma análise essencialmente política e quando se refere à "Democracia" se refere à democracia liberal ou burguesa]"(...) a nova democracia agora aspira ao sufrágio universal - um erro fatal, e um dos mais notáveis ​​na história da humanidade. Por este meio, o poder político tão apaixonadamente exigidos pela democracia seria quebrado em um número pequnissimas partes, das quais cada cidadão adquire uma. O que ele vai fazer com isso, então? Como ele irá empregá-lo? Na prática, sem dúvida, tem sido demonstrado que para a consecução deste objetivo a Democracia viola sua fórmula sagrada de "Liberdade é indissoluvelmente ligada com a Igualdade". Essa distribuição aparentemente igual de "liberdade" entre todos envolve a destruição total de igualdade. [RP: O autor quer dizer que daí surge uma desigualdade de poder, votantes e controladores de votos.] Cada voto, o que representa um fragmento inconsiderável de poder, por si só não significa nada; somente uma agregação de votos tem um valor relativo. O resultado pode ser comparado com uma empresa divida entre acionistas. Por si mesmos indivíduos são ineficazes, mas aquele que controla um número dessas forças fragmentárias é o mestre de todo o poder, e dirige todas as decisões e disposições. Podemos muito bem perguntar em que consiste a superioridade da Democracia. Em todos os lugares o homem mais forte se torna senhor do Estado, às vezes um general afortunado e resoluto, às vezes um monarca ou o administrador com conhecimento, destreza, um plano claro de ação e uma vontade determinada. Em uma democracia, os verdadeiros governantes são os manipuladores hábeis de votos, com seus lugares tenentes, os mecânicos que podem tão habilmente operar as molas ocultas que movem os bonecos na arena das eleições democráticas. [RP: Podemos ver no nosso sistema que não é qualquer um que pode adquirir poder político, se candidatar a um cargo público. Eleições movimentam milhões em publicidade e os que tem dinheiro podem facilmente manipular resultados, investido subornos, publicidade e compra de imprensa.] Homens desse tipo sempre possuem discursos prontos enaltecendo a igualdade em voz alta, mas, na realidade, eles governam o povo como qualquer déspota ou ditador militar. A extensão do direito de participar nas eleições é considerado como progresso e como a conquista da liberdade por teóricos da democracia, que defendem que quanto mais numerosos os participantes nos direitos políticos, maior é a probabilidade de que todos irão empregar este direito no interesse da o bem-estar público e para o aumento da liberdade do povo. A experiência prova uma coisa muito diferente. A história da humanidade é testemunha de que as reformas mais necessárias e frutíferas - as medidas mais duráveis ​​- emanou da vontade suprema de estadistas, ou de uma minoria iluminada pelas idéias nobres e um profundo conhecimento, e, ao contrário, a extensão do princípio representativo é acompanhado por uma degradação das idéias políticas e a vulgarização de opiniões na massa dos eleitores. [RP: A maioria dos eleitores sequer aderem a esta ou aquela facção por opinião política formulada pela reflexão mas sim por um emaranhado de ideias e preconceitos, como o cidadão de classe média alta que vota em siglas que considera "mais refinadas do que o povão".] (...) Mas para uma mente imparcial, tudo isso nada mais é que uma luta de partidos e um embaralhar de números e nomes. Os eleitores, por si unidades desprezíveis, adquirem um valor em mãos de agentes hábeis. Este valor é conseguido por muitos meios - principalmente por suborno em inumeráveis ​​formas, a partir de doações de dinheiro e artigos insignificantes, com a distribuição de lugares nos serviços, nos departamentos financeiros e da administração. [RP: A distribuição de favores é uma coisa extremamente natural nesse tipo de conflito, sendo praticamente inerente a democracia liberal.] (...) Organização e suborno - estes são os dois instrumentos poderosos que são empregados com sucesso como para a manipulação da massa de eleitores. Tais métodos não são de maneira alguma novos. Tucídides descreve em cores vívidas o seu emprego em antigas repúblicas da Grécia. A história da República Romana apresenta exemplos monstruosos de corrupção como o principal instrumento de facções nas eleições. Mas em nossos tempos um novo meio foi encontrado de trabalhar as massas para fins políticos, e juntá-las em alianças acidentais provocando uma comunidade fictícia de pontos de vista[RP: Grupos de eleitores não são grupos sociais sólidamente estabelecidos, corporação, e sim uma frágil e passageira coletividade de átomos, o que retira a legitimidade do grupo de votos como "vontade única".] . Esta é a arte de generalização rápida e ágil de idéias, a composição de fórmulas e frases de efeito, divulgada com a confiança de uma poderosa convicção como última palavra da ciência, como dogmas de 'politicologia', como apreciações infalíveis dos eventos, dos homens e das instituições. Houve um tempo em que acreditava-se que a faculdade de analisar fatos e deduzir princípios gerais era privilégio de algumas mentes iluminadas e profundos pensadores, agora é considerado uma conquista universal, e, sob o nome de convicções, as generalidades da ciência política tornaram-se uma espécie de moeda corrente cunhada por jornais e demagogos. A faculdade de apreensão e assimilação da fé nessas idéias abstratas se espalhou entre a massa, e tornou-se infecciosa, mais especialmente para os homens insuficientemente ou superficialmente educados, que constituem a grande maioria em toda parte. Esta tendência das pessoas é explorada com sucesso por políticos que buscam o poder, a arte de criar generalidades serve para eles como um instrumento muito conveniente. Toda dedução é pelo caminho da abstração, a partir de uma série de fatos o imaterial é eliminado, os elementos essenciais recolhidos, classificados e fórmulas gerais deduzidas. É claro que a justiça e o valor destas fórmulas dependem de como muitas das premissas são essenciais e de quantos desses eliminados são irrelevantes. A velocidade e a facilidade com que se chegam a conclusões abstratas que são explicadas pelos métodos inceremoniosos observado neste processo de seleção de fatos relevantes e em seu tratamento. Daí o grande sucesso de oradores e os efeitos extraordinários das abstrações que lançaram para o povo. A multidão é facilmente atraída por lugares comuns e generalidades investidas em frases sonoras, mas não se importa com as provas que são inacessíveis a ela; assim é formada a unanimidade de pensamento, uma unanimidade fictícia e visionária, mas em suas conseqüências reais o suficiente. Essa é a chamada 'voz do povo', com o pingente, a 'voz de Deus'."

Konstantin P. Pobedonostsev(1827-1907), "The New Democracy", em "Reflections of a Russian statesman" , Grant Richards, London, 1898, pgs. 27-31.

Trecho da obra "Reflexões de um Estadista Russo", de Konstantin P. Pobedonostsev(1827-1907), conservador russo, instrutor de três czares(entre eles Alexandre III e Nicolau II), ideólogo do czarismo, jurista, Procurador Chefe do Santo Sinodo e "eminência parda" do regime imperial.

Nenhum comentário:

Postar um comentário