segunda-feira, 25 de fevereiro de 2013

"O tsar é o Estado em si mesmo"

Abrindo o livro de Pipes "Russian Conservatism and Its Critics" (Yale University Pres, 2005) antes mesmo do índice encontramos a citação que transcrevi logo abaixo. Creio que a mesma descreva perfeitamente a essência do tsarismo e, em parte, da monarquia no geral (mais especialmente da monarquia absoluta, apesar dessa mesma no ocidente ser fundamentalmente diferente de sua versão oriental russa - espero poder abordar isso mais precisamente no futuro ou compartilhar material a respeito). Devido a uma mentalidade demo-liberal e a história recente pode ser um pouco difícil para alguns entender. Dizer que se suas decisões foram duras para o povo então ele foi mal interpretado não se trata de cinismo (até porque não há "povo" para enganar), mas sim de uma descrição politicamente precisa. Não existe nesse contexto "ideologia" conforme geralmente se entende, e é absurdo falar em "totalitarismo" fora da sociedade industrial de massas (na verdade eu diria que tal categoria é insuficiente até mesmo para os países que são assim classificados).  O tsar, justamente por ser o tsar, não precisa se justificar. Isso é facilmente compreensível para os que estudam o "monarquismo" ou tem interesse em história, sendo relevante somente para leigos em geral e insolentes com transtorno de personalidade desafiante (desses estranhos que falam "besteira!" como se aqui tivesse alguma coisa em jogo).

"Na concepção do povo Grão Russo, o tsar é a forma corpórea do Estado.... Ele não é chefe do exército, nem a escolha do povo, nem o chefe-de-estado [head of state] ou representante da administração, nem mesmo o sentimental  Landesvater [pai do povo] ou o bon père des peuples [bom pai do povo]... O tsar é o Estado em si mesmo - ideal, benevolente e, ao mesmo tempo, sua expressão severa. Ele é superior a tudo, colocado além de todas as dúvidas e disputas, e por essa razão, inviolável. Por essa razão, também, ele é imparcial para todos: todos são iguais frente a ele mesmo se eles são diferentes entre si. O tsar deve ser deve ser sem pecado. Se as coisas vão mal para o povo, não está ele errado e sim seus servidores. Se as ordens do tsar são duras com o povo isso significa que ele foi mal interpretado. Ele não pode querer nada de mau para o povo... Nos mais tempos mais duros e difíceis, quando eles devem sua vida política quase a partir do zero, o povo Russo, antes de tudo,  restaurou a autoridade tsarista." - K. D. Kavelin, "Pensamentos e Observações Sobre História Russa"

Nenhum comentário:

Postar um comentário